O Abajur

Ainda que a silhueta das minhas bochechas te estimule à ternura
E isso não seja interessantíssimo
Tenho que te mostrar o abajur da minha avó
Que fazia cheiro de grama recém-cortada, quando desligado.

Natalia Lix, minha filha.

Um comentário:

tiago disse...

poema ótimo!

 
© 2008 - 2009 Nancy Lix, Lua em Refração. Todos os direitos reservados. Não reproduzir sem autorização. | Technorati | BlogBlogs.Com.Br