Refrações sobre o meu rosto

Luz,
Sombras,
refrações sobre o meu rosto
o olhar do outro é quem vê.

Eu estou escondida na pupila
focando um ponto distante,
através do reflexo nas retinas,

a fonte das claridades perfeitas...


©, 2009, Nancy Lix.

6 comentários:

Natalix disse...

Penso se há uma vontade oculta no escritor de ser lido, não interpretado. Ser compreendido.

Nancy Lix disse...

Talvez o escritor precise da compreensão dos outros para compreender-se.Ou, talvez, ele tenha apenas escutado uma música, um vento, e reeditado em versos.

Beijinho

Roger Jones disse...

olha... essa foto...
parece a Natália.
mas mais centrada.

Roger Jones disse...

e... nah...
eu não procuro ser lido nem interpretado...
nem compreendido.
eu gostaria, mesmo, é de ser descoberto.

e que alguém me dissesse, finalmente, quem eu sou.

tá, mas isso não tem nada a ver com literatura, ok ?
em literatura apenas conto piadas pra eu mesmo rir.
e só.

Roger Jones disse...

ah, e gostei, nesse, de "a fonte das claridades perfeitas..."

Omar Garido disse...

É impossível escrever como escreves, sem ter descoberto à si mesma.
Isso é saber quem se é.

Não fosse assim, Nancy, usaríamos a literatura para contar piadas, não para editar nossos sentimentos.

(Sempre acompanhando).

 
© 2008 - 2009 Nancy Lix, Lua em Refração. Todos os direitos reservados. Não reproduzir sem autorização. | Technorati | BlogBlogs.Com.Br