Mulher Real

Deixe-me tirar estas felpas
dos meus calcanhares,
deslizar os meus pés descalços
sobre a úmida grama,
circunvolver o meu corpo
de forma graciosa,
voluptuosa,
aconchegante,
pois que sou uma mulher real,
não uma andróide de revista,
com seios de borracha,
uma criatura esquisita,
de olhar e caminhar de zumbi,
ou uma boneca digitalizada,
esticada,
projetada
da transexualidade do homem.

Qual arte maior que a feminina,
das tatuagens do tempo
no ventre gerando vidas,
nas mamas intumescidas de leite,
no esforço dilatado,
rasgado,
refletindo o original mistério,
instintivo,
criativo,
da natureza viva em cada mulher.


© 2009 Nancy Lix, Lua em Refração.

2 comentários:

Roger Jones disse...

eu acho que o que é real vem antes do pensamento.

Natalix disse...

Chegou a pensar nisso?

 
© 2008 - 2009 Nancy Lix, Lua em Refração. Todos os direitos reservados. Não reproduzir sem autorização. | Technorati | BlogBlogs.Com.Br