O Artista Caído

Sentindo o impressionismo das impossibilidades
Dos matizes infinitos e incapazes
Da nitidez, brilhos, contrastes, intensidades
Dos dias ensolarados que desfaço
E o destempero das noites frias sem abraço
Até cair de cansaço no piso hostil, duro e disforme
Cego, surdo, mudo sobre a tela do mundo
Meu futuro impreciso desistiu... ou dorme...
Sou o artista louco das ruas da cidade
O lunático das madrugadas
A falta que invade
O coração vazio das almas desamparadas
Sou a ânsia de quem viu esta minha crise de infância
Como se eu fosse um menor sem idade
Caído no chão
Sem a compaixão da arte
Meu corpo morre sem mim
Meu espírito morre sem fim
Sem colo
O que sobrevive ?
O solo.

Roger Jones
http://astronautaroger.blogspot.com/

4 comentários:

Nat Lix disse...

Um dos melhores escritores gaúchos!

Roger Jones disse...

gaúchos, não.
do mundo.

¬¬

Natalix disse...

Tanto que não libera comentário no blog. Provavelmente, apenas mais uma mania megalomaníaca! rs

Roger Jones disse...

¬¬

ok, liberei.
geralmente isso não dá certo.
mas.

liberei.

 
© 2008 - 2009 Nancy Lix, Lua em Refração. Todos os direitos reservados. Não reproduzir sem autorização. | Technorati | BlogBlogs.Com.Br