Ana quer Morrer

Fechou a mão Apertou as unhas contra a pele até rasgar. Era o que queria, um ponto físico além, uma extremidade perfeita para direcionar a sua ira. Um outro lugar que não fosse centro, o coração, fragilizado de sensibilidades. Ficou olhando os filetes de sangue vermelho escorrerem. As veias enrijecidas. Os negros pulsos.
Sentia-se numa situação insustentável. De pobreza. De falta de oportunidades. De raça inferiorizada. Uma mão de obra barata. Anônima. Dispensável. Um dejeto do submundo urbano.
Pensou em passar um estilete e acabar logo com a agonia, mas deu-se conta de que não estava vivendo um filme macabro de TV. Sua vida era a sua propriedade. Real. Única. Não havia porque destruir-se, mesmo quando todos a sua volta agiam como se assim o desejassem. Um alívio para a sociedade estressada. De culpas. De interesses.
Ela compreendeu que tudo é uma questão de controle. Quando não se tem nenhum, joga-se de poder com a própria vida. E perde-se o essencial. Troca-se pelo valor dos outros.
A cor da sua pele é apenas a cor da sua pele. Nascer pobre também. Apenas a sua condição. Uma pessoa é o que pensa. O que sente. Os seus valores. O resto, meramente circunstancial.
“Eu não sou as minhas circunstâncias”, gritou.
Ana não se suicidou naquele dia.

©, 2008, Nancy Lix.

3 comentários:

Roger Jones disse...

gostei.

Anônimo disse...

Forte !

;Duda;

Vinícius Silva disse...

Nossa! Quem nunca fraquejou e pensou em aliviar o fardo? Mas quem cria esse "peso" somos nós mesmos.

Que bom que Ana sobreviveu e hoje vive!

Obrigado pelos elogios e por visitar o PSQC. Também adorei os comentários lá no Portal Literal. Pena que "Bones" não conseguiu os votos necessários, mas "O Gato" está lá firme e forte.

Voltarei e irei destrinchar mais seu blog.

Besos.

 
© 2008 - 2009 Nancy Lix, Lua em Refração. Todos os direitos reservados. Não reproduzir sem autorização. | Technorati | BlogBlogs.Com.Br